Fernando Corrêa de Oliveira (1921-2004) foi um pianista e compositor do Porto que deixou uma interessante obra de mais de 50 números de Opus. É o único compositor ibérico que se deu à tarefa de idear um sistema de composição próprio que explicou no método Simetria Sonora (1969) e oferece infinitas possibilidades compositivas dentro da atonalidade, mas também na tonalidade. Estes dias andei a estudar as suas obras medievalizantes, compostas no seu sistema sobre textos de Martim Codax, Afonso o Sábio, Dom Dinis, e também Camões e o Cancioneiro de Elvas. Debrucei-me igualmente na sua única obra para guitarra: Sete peças para guitarra Op. 30, inspirada em lembranças familiares da Coimbra dos estudantes, que vai acompanhada de um poema de várias estrofes, cada uma a ilustrar uma das peças. Eis o primeiro número.